Quarta-feira, 2 de Setembro de 2009
publicado por Pedro Picoito em 02 Set 2009, às 18:54

Sou um dos vários milhões de portugueses que não levam muito a sério os delírios de Carlos Santos, seja qual for o blogue ou a caixa de comentários em que os dá a conhecer ao mundo. Longe de mim insinuar que aquilo que Carlos Santos escreve é destituído de utilidade, note-se. Nada disso. Há delírios tão delirantes que nos fornecem, por contraste, a certeza de que ainda somos dotados de algum bom senso. Estamos perante um desses higiénicos paradoxos. Mas o caso muda de figura quando o delírio se aproxima da pura e simples manipulação.

Carlos Santos diz no Simplex que Ernâni Lopes foi "Ministro socialista das Finanças no Governo do Bloco Central".

 Esta frase contém uma enorme falsidade, metida a martelo no meio de alguns dados correctos.

Sim, Ernâni Lopes foi ministro do Bloco Central, mas nunca foi socialista. Bem pelo contrário. Esteve sempre próximo do PSD, facto a que não será alheia a sua longa amizade com alguns históricos do partido, nomeadamente Rui Machete. Entre 2002 e 2004, foi mesmo representante do Governo de Durão Barroso em Bruxelas e em 2004 foi mandatário nacional da coligação PSD-CDS para as eleições europeias. 

Das duas uma: ou Carlos Santos mente deliberadamente ou ignora quem seja Ernâni Lopes. Em qualquer dos casos, aguardo um esclarecimento do Simplex. Bem sei que o exemplo vem de cima, mas há limites para a falta de vergonha.


4 comentários:
De amália a 2 de Setembro de 2009 às 23:19
"Sou um dos vários milhões de portugueses que não levam muito a sério os delírios de Carlos Santos"... Fez alguma sondagem para fazer esta afirmação? Tal exagero/mentirola/desejo incontido tiram-lhe a si credibilidade.


De Joaquim Amado Lopes a 3 de Setembro de 2009 às 11:21
Leia, p.e., o artigo do Carlos Santos no Simplex onde "analisa" os vários programas eleitorais pela frequência da palavra "não" nas respectivas páginas e tirar daí conclusões sobre o "positivismo" ou "negativismo" dos vários partidos.
Não tendo analisado cada um dos "nãos" e mesmo depois de assumir que há nãos pela negativa e nãos pela positiva, o Carlos Santos continua a defender a "análise" que fez.

Mas tem razão. Milhões de portugueses é manifestamente um exagero. Serão muito menos os que sabem sequer que o Carlos Santos existe, menos ainda os que lêem o que ele escreve e, desses, alguns estão-se nas tintas para a validade do que escreve, apenas lhes interessa quem ele defende ou ataca.
Dos que restam, haverá sempre alguns que não exercem qualquer sentido crítico sobre o que lêem e engolem os disparates, superficialidade e demagogia que o Carlos Santos tenta fazer passar por análises sérias e científicas.


De João Paulo Pedrosa a 2 de Setembro de 2009 às 23:22
Caro Pedro Picoito
das poucas vezes que vim a este blogue e, diga-se, quase exclusivamente para o ler, apanhei logo com este pedido de esclarecimento. Sem o pretender fazer pelo colectivo (longe de mim que sou um participante errático) aproveito para lhe relatar a minha experiência pessoal vivida na época. E Lopes participava em sessões do PS (distritais e outras) para explicar as medidas do governo da parte do PS. Foi sempre assim que o entendi, você diz agora o contrário, isso para mim é total novidade.
Eram bem conhecidas, aliás, as histórias de críticas violentas do PSD ao governo, por causa dos sacrifícios, e era o PS e Mário Soares que defendiam Ernani Lopes. Quanto a ele posteriormente ter apoiado outro partido, meu caro Pedro, nesse aspecto o único exemplo de imutabilidade, só mesmo F Louçã :)


De amália a 4 de Setembro de 2009 às 14:02
Caríssimo Joaquim
Também não o conheço e também não me importo com a sua opinião.
E também penso pela minha cabeça.
Saudações democráticas.


Comentar post


Jamais - Advérbio. Nunca mais, outra vez não, epá eles querem voltar. Interjeição muito usada por um povo de dez milhões de habitantes de um certo cantinho europeu, orgulhoso do passado mas apreensivo com o futuro, hospitaleiro mas sem paciência para ser enganado, solidário mas sobrecarregado de impostos, com vontade de trabalhar e meio milhão de desempregados, empreendedor apesar do Estado que lhe leva metade da riqueza, face à perspectiva terrível de mais quatro anos de desgoverno socialista. Pronuncia-se à francesa, acompanhado ou não do vernáculo manguito.
Vídeo da Semana
autores
posts recentes

Valeu a pena dizer "Jamai...

...

A luta continua.

Até amanhã camaradas

Post final

O novo PSD

"Obrigado Manuela", segui...

Saudações democráticas

Parabéns ao PS

No dia 27, vamos todos vo...

últ. comentários
O Sôtor Elisio Maia fala assim porque depende do a...
ótimo blog, parabéns...
Realmente é o pais considerado como o pais do truq...
Conversa de urinol ..... caro boy PS!!!
Caro amigo anónimo, de facto encontro alguma razão...
meu caro amigo, não duvido das suas competências.....
está completamente certa. Mais... o 12º é pior, po...
nao faz a minima ideia de como existem formandos a...
Esta afirmação de Platão devia estar melhor docume...
Escandalizam-me reflexões como as do artigo da Sra...
mais comentados
links
arquivos

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

subscrever feeds