Terça-feira, 8 de Setembro de 2009
publicado por Paulo Marcelo em 08 Set 2009, às 16:34

5 comentários:
De Mário Cruz a 8 de Setembro de 2009 às 18:36
Ena, isso é de uma injustiça para o Vasco Gonçalves...

Ao menos concordam que lhes podemos dar, ao Vasco e ao Pinheiro, o 1º prémio exequo?

O Sócrates só não é tão mau porque usa fatos mais finos. Mas também diz: "Pá! Porreiro!"


De miguel bagorro a 8 de Setembro de 2009 às 20:14
Caro Paulo, será que no meio daquela confusão toda dos idos de 75 era possível fazer melhor? Dá-me a sensação que o Almirante sempre ia dando uns murros na mesa, e eu cá também me chatearia ao ser sequestrado - a ti não?
Por outro lado, em termos de consequências, o pior mesmo deve ter sido o Vasco, mas era idealista... E antes dele, o Veiga Simão e a sua famigerada reforma... Mas, é certo, não era primeiro ministro. Este Sócrates não é mesmo nada, de bom... Diria qualquer coisa como: nem para os amigos, nesta minha ignorância da alta política. Saudações - Miguel


De Gonçalo Marques a 8 de Setembro de 2009 às 22:11
Caro Paulo Marcelo

Permita-me que discorde: Pinheiro de Azevedo foi um excelente chefe do governo - numa altura bem turbulenta e difícil do PREC - e um homem de fibra que, com garra e determinação, soube liderar o país.

Foi um homem corajoso e um grande português!

Saibamos separar o trigo do joio quando falamos de homens que figuram nas páginas da História de Portugal (por um lado) e quando falamos de "canalha" política profissional que apenas pode interessar ao lixo mediático e ao observador acrítico da realidade política.


De Rui a 8 de Setembro de 2009 às 22:12
Não comentar quem já cá não está é um dever ético já que não se pode defender ninguém.
Sócrates esse sim é a quem convém desmascarar


De Paulo Marcelo a 9 de Setembro de 2009 às 10:33
Obrigado pelos comentários.
O objectivo deste post era uma mensagem de esperança.
Independentemente dos personagens, se sobrevivemos ao PREC, o futuro só poderá ser melhor, sobretudo se conseguirmos tirar de lá a mediocridade de José Sócrates.


Comentar post


Jamais - Advérbio. Nunca mais, outra vez não, epá eles querem voltar. Interjeição muito usada por um povo de dez milhões de habitantes de um certo cantinho europeu, orgulhoso do passado mas apreensivo com o futuro, hospitaleiro mas sem paciência para ser enganado, solidário mas sobrecarregado de impostos, com vontade de trabalhar e meio milhão de desempregados, empreendedor apesar do Estado que lhe leva metade da riqueza, face à perspectiva terrível de mais quatro anos de desgoverno socialista. Pronuncia-se à francesa, acompanhado ou não do vernáculo manguito.
Vídeo da Semana
autores
posts recentes

Valeu a pena dizer "Jamai...

...

A luta continua.

Até amanhã camaradas

Post final

O novo PSD

"Obrigado Manuela", segui...

Saudações democráticas

Parabéns ao PS

No dia 27, vamos todos vo...

últ. comentários
O Sôtor Elisio Maia fala assim porque depende do a...
ótimo blog, parabéns...
Realmente é o pais considerado como o pais do truq...
Conversa de urinol ..... caro boy PS!!!
Caro amigo anónimo, de facto encontro alguma razão...
meu caro amigo, não duvido das suas competências.....
está completamente certa. Mais... o 12º é pior, po...
nao faz a minima ideia de como existem formandos a...
Esta afirmação de Platão devia estar melhor docume...
Escandalizam-me reflexões como as do artigo da Sra...
mais comentados
links
arquivos

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

subscrever feeds