Domingo, 2 de Agosto de 2009
publicado por Pedro Picoito em 02 Ago 2009, às 17:56

O caso do convite a Joana Amaral Dias para as listas do PS (Joanagate para os amigos) vale o que vale: pouco. O PS tem o direito de convidar quem quiser para deputado, embora não tenha o direito de pagar a viagem para S. Bento com lugares na administração pública; Joana Amaral Dias tem o direito de recusar e de noticiar a recusa, mesmo que as suas intenções não sejam as mais nobres; e Louçã tem o direito de aproveitar o incidente para bater forte e feio em Sócrates, ainda que o faça apenas por cálculo político. Tudo está bem quando acaba bem.

Mas esta história é também exemplar de outro modo. Não por vermos o Primeiro-Ministro e o líder de um partido da oposição a chamarem-se mentirosos, um velho hábito comum herdado de muitos debates parlamentares. Não, o Joanagate é exemplar porque nos recorda uma das características genéticas do PS de Sócrates: a tentativa de negar a realidade até aos limites do possível. Alguns dias depois de afirmar que não tinha havido convite nenhum, o PS vem dizer, por meio de um obscuro Secretário de Estado com o estranho poder de oferecer lugares de deputado sem dar cavaco ao partido, que afinal tinha havido uma "indagação da possibilidade" .

Ah, eis o velho PS de Sócrates, o do "aeroporto em Alcochete jamais", o dos 150 mil empregos prometidos que não eram uma promessa mas um objectivo, o das pressões sobre os magistrados do Freeport que não eram bem pressões, o dos relatórios da OCDE que não eram da OCDE, o das blogoconfs que deviam ser em directo mas não são, o das licenciaturas ao Domingo, o dos projectos manhosos na Cova da Beira.

Aqui está um bom retrato do Governo nos últimos quatro anos: uma "indagação da possibilidade". Nada mais.


1 comentário:
De Mário Cruz a 3 de Agosto de 2009 às 12:53
Realmente a lingua portuguesa é mt rica.

"Indagação da possibilidade" parece-me maravilhoso!!!


Comentar post


Jamais - Advérbio. Nunca mais, outra vez não, epá eles querem voltar. Interjeição muito usada por um povo de dez milhões de habitantes de um certo cantinho europeu, orgulhoso do passado mas apreensivo com o futuro, hospitaleiro mas sem paciência para ser enganado, solidário mas sobrecarregado de impostos, com vontade de trabalhar e meio milhão de desempregados, empreendedor apesar do Estado que lhe leva metade da riqueza, face à perspectiva terrível de mais quatro anos de desgoverno socialista. Pronuncia-se à francesa, acompanhado ou não do vernáculo manguito.
Vídeo da Semana
autores
posts recentes

Valeu a pena dizer "Jamai...

...

A luta continua.

Até amanhã camaradas

Post final

O novo PSD

"Obrigado Manuela", segui...

Saudações democráticas

Parabéns ao PS

No dia 27, vamos todos vo...

últ. comentários
O Sôtor Elisio Maia fala assim porque depende do a...
ótimo blog, parabéns...
Realmente é o pais considerado como o pais do truq...
Conversa de urinol ..... caro boy PS!!!
Caro amigo anónimo, de facto encontro alguma razão...
meu caro amigo, não duvido das suas competências.....
está completamente certa. Mais... o 12º é pior, po...
nao faz a minima ideia de como existem formandos a...
Esta afirmação de Platão devia estar melhor docume...
Escandalizam-me reflexões como as do artigo da Sra...
mais comentados
links
arquivos

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

subscrever feeds