Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Jamais

Jamais

26
Jul09

Paciência e propostas

João Gonçalves

Faria bem às lideranças dos dois principais partidos concorrentes à chefia do próximo governo ler o artigo de José Medeiros Ferreira no Correio da Manhã. «Depois das Europeias, o PS e o PSD ficaram paralisados, o PS pela derrota, e o PSD perante a vitória. E assim se passou o tempo. Como se nenhum deles estivesse preparado para uma inversão de papéis. O caso do PS é talvez mais compreensível, embora sintomático. Dotou-se de um líder que em poucos meses o levou à maioria absoluta perante o entusiasmo da sociedade civil consubstanciada em banqueiros, empresários, gestores, grandes causídicos, novos militantes esperançosos, e até certos círculos da Europa comunitária. Para muitos apareceu como um vencedor nato, quase um homem providencial, ou pelo menos como metade dele, depois da eleição de Cavaco Silva para PR. As sondagens permaneciam constantes mau grado o mal-estar das manifestações. Era um ambiente propício a conjecturas milenaristas, os dirigentes do PS deliciavam-se com o seu novo papel na sociedade portuguesa. O resultado das europeias obrigou a um acordar estremunhado. Os apoiantes do mundo exterior tornaram-se mais discretos, a perplexidade assaltou os mais entusiastas. Quase ninguém propôs um exame de consciência. O caso do PSD é mais estranho, mas não menos significativo. Depois dos festejos da vitória propôs que o país parasse à espera da nova distribuição de tarefas, nomeadamente no domínio das obras públicas, um ministério assim rebaptizado pelo cavaquismo governamental. De resto nada disse de substancial sobre o futuro. Usou um discurso político e programático pobre. Como se não se tivesse preparado para a eventualidade. Os portugueses vão ter de se armar de paciência durante uns tempos até aparecerem outras propostas.»

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Jamais - Advérbio. Nunca mais, outra vez não, epá eles querem voltar. Interjeição muito usada por um povo de dez milhões de habitantes de um certo cantinho europeu, orgulhoso do passado mas apreensivo com o futuro, hospitaleiro mas sem paciência para ser enganado, solidário mas sobrecarregado de impostos, com vontade de trabalhar e meio milhão de desempregados, empreendedor apesar do Estado que lhe leva metade da riqueza, face à perspectiva terrível de mais quatro anos de desgoverno socialista. Pronuncia-se à francesa, acompanhado ou não do vernáculo manguito.

Arquivo

  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D