Sexta-feira, 14 de Agosto de 2009
publicado por Miguel Reis Cunha em 14 Ago 2009, às 11:37

Ainda me recordo, nos tempos do prof. Cavaco Silva, das histórias que se contavam acerca da forma meticulosa e exigente como Paulo Teixeira Pinto – então secretário de Estado do Conselho de Ministros- passava a pente fino toda a produção legislativa que directa ou indirectamente emanava do governo.

Muitas vezes, os documentos eram devolvidos ou rectificados muito antes de serem remetidos para aprovação.

Com o governo de Sócrates, pelo contrário, impera a precipitação e o estouvamento.

Não são só os “lapsos e errozitos”, basta ir ao Diário da República e ver as sucessivas declarações de rectificação do “Centro Jurídico”.

O governo PS no seu melhor....


3 comentários:
De Anónimo a 14 de Agosto de 2009 às 11:50
Como alguém disse, as leis não bastam. Os lírios não nascem das leis.


De Pedro Gomes a 14 de Agosto de 2009 às 14:38
Só não erra quem não faz! Essas duas (?!) páginas do DR também não são felizes, bem como o exemplo do inefável PTP que por lá passou pela PCM (portas giratórias? Nãã....). É esta a abundância legislativa de que se fala?


De Miguel Reis Cunha a 15 de Agosto de 2009 às 00:23
Caro Pedro Gomes
O problema está na frequência dos erros que obrigam a rectificações legislativas. Nos últimos dias, então, tem sido manifesto. Basta consultar os últimos DR's dos quais, aqui, apenas linkei um, a título de mero exemplo.
Quanto à abundância legislativa é um facto reconhecido por vários analistas e pelo próprio presidente da República.
Aliás, talvez não se tenha apercebido mas, nos últimos dias, entrou em vigor a lei que fixa a percentagem do sal no pão...


Comentar post


Jamais - Advérbio. Nunca mais, outra vez não, epá eles querem voltar. Interjeição muito usada por um povo de dez milhões de habitantes de um certo cantinho europeu, orgulhoso do passado mas apreensivo com o futuro, hospitaleiro mas sem paciência para ser enganado, solidário mas sobrecarregado de impostos, com vontade de trabalhar e meio milhão de desempregados, empreendedor apesar do Estado que lhe leva metade da riqueza, face à perspectiva terrível de mais quatro anos de desgoverno socialista. Pronuncia-se à francesa, acompanhado ou não do vernáculo manguito.
Vídeo da Semana
autores
posts recentes

Valeu a pena dizer "Jamai...

...

A luta continua.

Até amanhã camaradas

Post final

O novo PSD

"Obrigado Manuela", segui...

Saudações democráticas

Parabéns ao PS

No dia 27, vamos todos vo...

últ. comentários
O Sôtor Elisio Maia fala assim porque depende do a...
ótimo blog, parabéns...
Realmente é o pais considerado como o pais do truq...
Conversa de urinol ..... caro boy PS!!!
Caro amigo anónimo, de facto encontro alguma razão...
meu caro amigo, não duvido das suas competências.....
está completamente certa. Mais... o 12º é pior, po...
nao faz a minima ideia de como existem formandos a...
Esta afirmação de Platão devia estar melhor docume...
Escandalizam-me reflexões como as do artigo da Sra...
mais comentados
links
arquivos

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

subscrever feeds